H02.jpg

PostHeaderIcon - O MENSAGEIRO DO INCOMUNICÁVEL

 


 

Subimos novos vídeos em nossa página, se quiser acessá-los, clique no seguinte endereço: http://www.youtube.com/user/2afundacion

QUAL É O PROPÓSITO E A ORIGEM DA DESARMONIA? POR QUE SE PRODUZIU ESTA DIVISÃO, ESTE EGO, ESTE MUNDO DE DOLOROSA EVOLUÇÃO? POR QUE O MAL E O SOFRIMENTO DEVEM INTERFERIR NO BEM, A BEM-AVENTURANÇA E A PAZ DIVINAS?

É difícil responder à inteligência humana em seu próprio nível, porque a consciência à qual pertence a origem deste fenômeno e na que se, por assim dizê-lo, automaticamente justificado em um conhecimento supra-intelectual, é uma inteligência cósmica e não uma inteligência humana e individual; vê em espaços mais vastos, possui outra visão e cognição, outros termos de consciência distintos da razão e os sentimentos humanos. À mente humana alguém poderia responder-lhe que, enquanto em si mesmo o Infinito pode estar livre dessas perturbações, uma vez que a manifestação começou, começaram também as infinitas possibilidades e, entre as infinitas possibilidades às que a manifestação universal tem por função dar lugar, uma delas foi evidentemente a negação, a aparente negação efetiva – com todas suas consequências - do Poder, a Luz, a Paz, a Bem-aventurança. Se se pergunta por que além de possível aquela teve de ser aceita, a resposta mais próxima à Verdade cósmica que a inteligência humana pode conceber é que, nas relações ou na transição do Divino em sua Unidade, ao Divino em sua Multiplicidade, esta sinistra possibilidade se fez, em certo ponto, inevitável. Porque, uma vez nascida, adquire para a Alma no descenso, à manifestação evolutiva uma atração irresistível que cria a inevitabilidade; uma atração que em termos humanos ao nível terrestre pode ser interpretada como a chamada do desconhecido, o gozo do perigo e, a dificuldade e a aventura, a vontade de tentar o impossível, de experimentar o incalculável, a vontade de criar o novo e o não-criado com o próprio ser e vida como materiais, a fascinação das contradições e de sua difícil harmonização; são estas coisas, traduzidas a outra consciência, a uma consciência supra-física, supra-humana, mais alta e mais vasta que a mental, às que provocaram a tentação que conduziu à queda. Porque para o ser original de luz à beira do descenso, o único desconhecido eram as profundidades do abismo, as possibilidades do Divino na Ignorância e a Inconsciência. Por outro lado, por parte da Unidade Divina, foi uma vasta aquiescência, cheia de compaixão, de consentimento, de ajuda; foi um supremo conhecimento de que isto devia ser assim, que havendo aparecido devia ser realizado, que sua aparição é, em certo sentido parte de uma incalculável, infinita sabedoría; que seu sumergir-se na Noite era inevitável, o emergir a um Dia novo sem precedentes era também uma certeza; e que só assim podia ter lugar uma certa manifestação da Verdade Suprema, pela posta em obra dos contrários fenomênicos como ponto de partida da evolução e como condição de uma emergência transformadora. Esta aquiescência compreendia também a vontade do grande Sacrifício, a descida do Divino, ele mesmo à Inconsciência para tomar sobre si a carga da Ignorância e suas consequências, para intervir como o Avatar e o Vibhuti marchando entre o duplo signo da Cruz e a Vitória até a culminação e a salvação. Uma tradução demasiado plástica da Verdade inexpressável? Mas sem imagens como apresentar ao intelecto um mistério muito além dele? Só quando se há cruzado a barreira da inteligência limitada e se há tomado parte na experiência cósmica e no conhecimento que vê as coisas por identidade, se podem assumir as supremas realidades que estão trás destas imagens (imagens correspondentes ao feito terrestre) suas formas divinas e se podem perceber como algo simples, natural, implícito na essência das coisas. Só penetrando em uma consciência maior, pode alguém captar a inevitabilidade da criação e seu propósito.

A obra de Sri Aurobindo, representa uma grande esperança para a humanidade, conforme seja entendida e abarcada pelo indivíduo, se compreenderá que a geografia do caminho ascendente evolutivo foi desenvolvida, suas mudanças marcadas, seus caminhos traçados e diagramados exaustivamente. Sri Aurobindo poderia conduzir o homem mental desenvolvido até seus mais excelsos cumes. Sri Aurobindo, o Senhor da Síntese, o Mensageiro do Incomunicável deixou o futuro realizado, agora depende do homem vivê-lo.